Também chamada de doença invisível, a fibromialgia foi reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no fim da década de 1970, apesar de serem encontradas descrições sobre ela em meados do século XIX.

Neste contexto, a fibromialgia pode ser caracterizada como uma síndrome dolorosa cuja etimologia é desconhecida. Por não deixar marcas expostas na pele nem provocar feridas, é difícil de ser diagnosticada.

Neste artigo, você conhecerá um pouco sobre essa síndrome, seus sintomas e causas, além de informações sobre tratamento de fibromialgia. Continue acompanhando para conferir!

O que é fibromialgia

A fibromialgia é definida como uma síndrome reumática e crônica caracterizada por dores ao longo de todo o corpo, que se reflete nos ossos, músculos, tendões e nas fáscias.

Também apresenta de pontos dolorosos à palpitação em determinadas partes do corpo, e essas dores são refletidas mesmo sem que se tenha lesionado fisicamente os músculos ou as articulações.

A fibromialgia pode ser classificada como:

  • primária: quando não apresenta distúrbios reumatológicos concomitantes;

  • secundária: quando apresenta disfunções reumatológicas simultâneas;

  • reativa: está ligada a ocorrências precipitantes como cirurgia, traumas ou infecções.

Agora que você já conhece a definição de fibromialgia, entenda quais sãos seus sintomas.

Sintomas da fibromialgia

A fibromialgia pode atingir tanto homens quanto mulheres em qualquer faixa etária, no entanto, afeta o sexo masculino em menor proporção.

Cerca de 70 a 90% dos casos são diagnosticados em mulheres, sendo que, na sua maioria, mulheres na faixa etária de 30 a 50 anos. Essa síndrome pode ser acompanhada frequentemente por disfunções do sono, fadiga, cefaleia crônica e disfunções psíquicas e intestinais.

O principal sintoma da fibromialgia é a dor generalizada, cuja duração é de cerca de três meses. A dor generalizada acontece nos lados direito e esquerdo do corpo, além de ocorrer acima e abaixo da cintura.

Além desses sintomas, podem aparecer:

Dificuldades cognitivas

Podem ser encontrados sinais como perda de memória, ausência de concentração e atenção, raciocínio lento e dificuldades na fala.

Fadiga

Outro sintoma é o sono não reparador: mesmo após uma noite de sono, a pessoa acorda com a sensação de não ter dormido. Além disso, a fibromialgia acarreta outros distúrbios do sono como a apneia do sono.

Outros sintomas

A pessoa diagnosticada com fibromialgia também pode apresentar fortes dores de cabeça, tonturas, depressão, ansiedade, sensação de formigamento nos pés e nas mãos e alterações intestinais.

Ainda não existem exames próprios para diagnosticá-la, de modo que o diagnóstico é feito baseado na análise clínica, constituído por histórico clínico e observação médica.

Dessa forma, é recomendável procurar orientações médicas, de preferência de um reumatologista, especialmente quando os sintomas característicos perdurarem por mais de três meses.

Causas da fibromialgia

As causas do surgimento da fibromialgia ainda são desconhecidas, por isso ela é considerada uma síndrome: apresenta um conjunto de sintomas que tem tendência de surgir simultaneamente, mas que não são relacionados a causas específicas identificáveis.

O que se pode dizer é que geralmente a dor crônica se inicia de um ponto do corpo e progride para o restante do corpo, mesmo que as possíveis causas sejam desconhecidas. As pessoas que sofrem com essa síndrome realmente sentem as dores descritas.

Alguns fatores podem contribuir para piorar essas dores:

  • infecção;

  • sono insatisfatório;

  • trauma;

  • esforço físico excessivo;

  • exposição ao frio;

  • dores musculares;

  • estresse emocional.

Tendo em vista todas essas informações, como aliviar os sintomas da fibromialgia? Veja algumas dicas!

Práticas que podem aliviar os sintomas da fibromialgia

Como a fibromialgia é uma síndrome de extensa duração com variações frequentes na intensidade da dor, citamos algumas práticas que poderão auxiliar no alívio dos sintomas. Essas práticas também são conhecidas como tratamento não-farmacológico.

Praticar exercícios físicos

A prática de exercícios físicos é muito importante para manter a musculatura condicionada e saudável, porém, devem ser realizadas atividades de baixo impacto e regulares.

Alguns dos exercícios que ajudam a aliviar a dor, alongar e fortalecer os músculos são: caminhada, natação e hidroginástica. Eles devem ser realizados de 3 a 5 vezes por semana, mediante orientações dos profissionais especializados.

Procurar ajuda psicológica

Buscar apoio psicológico é muito importante, visto que muitos dos que são diagnosticados com a síndrome da fibromialgia sofrem com distúrbios psicológicos. O acompanhamento ajudará a lidar com as dificuldades existentes, como pensamentos negativos que porventura surjam.

Manter estilo de vida saudável

Para que haja melhora clínica, é necessário manter uma vida saudável, que se entende por praticar hábitos que colaborem para a qualidade de vida — tanto do estado físico quanto psicológico. Para que isso ocorra, é preciso ter boa alimentação, reduzir o estresse e regular o sono.

Fazer massagem

massagem pode ajudar a diminuir a dor, principalmente quando a dor está associada à tensão muscular. Também auxilia no aspecto psicológico, que pode interferir de forma negativa no tratamento da síndrome. Vale lembrar que essa prática não é determinante no tratamento, é apenas um complemento para relaxar e aliviar a dor.

Saber quais são as medidas a serem tomadas é de suma importância para aliviar os sintomas e possibilitar o tratamento de fibromialgia. Assim, para que essas práticas sejam eficazes, é preciso conhecer os principais pontos de dor da fibromialgia.

Principais pontos de dor

Apesar de ser uma dor generalizada, ela se torna mais forte quando algumas áreas do corpo sofrem pressão. Normalmente, esses pontos são nas articulações e nos tendões, ligamentos e músculos.

Foram constatadas 18 áreas do corpo que apresentam dor intensa e são mais sensíveis ao toque e à pressão. Entre elas, destacam-se: pés, mãos, cotovelos, região lombar, joelhos, costas e ombros.

A fibromialgia, apesar de prejudicar a qualidade de vida, não é uma síndrome que leva à morte nem causa deformidade. Com o tratamento feito corretamente, as medidas clínicas podem até ser diminuídas.

Tratamento de fibromialgia

O tratamento de fibromialgia pode ser feito de duas maneiras: por medicamentos e tratamentos não-farmacológicos.

Existem vários medicamentos no mercado. Alguns são aprovados para serem usados no tratamento dessa síndrome e outros não são recomendados pelos profissionais especializados, de modo que é de vital importância consultar um profissional especializado.

Somente ele poderá informar a medicação a ser usada, a dosagem e a duração do tratamento mais indicado para cada caso. Esse tratamento deve ser orientado por reumatologista, fisioterapeuta e psiquiatra.

Com o objetivo de reduzir os sintomas, o tratamento de fibromialgia é paliativo, ou seja, não tem propósito de cura. Desse modo, listamos ações que podem ser adaptadas à rotina em busca de uma melhor qualidade de vida:

  • fazer atividade física regularmente;

  • aprender a lidar com o estresse;

  • evitar o uso da cafeína;

  • relaxar os músculos com banhos de imersão em água quente;

  • tirar tempo para si;

  • conversar sobre condição e relativas dificuldades;

  • manter um diário de dor — facilita descobrir quando os sintomas se apresentam e o que os desencadeiam;

  • integrar-se a um grupo de apoio.

Sendo assim, pode-se afirmar que, embora não tenha cura, existem várias maneiras de tratamento de fibromialgia. Elas ajudarão com que a pessoa diagnosticada com essa síndrome se sinta melhor com os que estão a sua volta e consigo mesma.

Vale ressaltar que nem sempre as mesmas medidas servem para todos: é preciso encontrar aquela que melhor se encaixa às necessidades e peculiaridades de cada indivíduo.

Gostou deste post? Ficou com uma alguma dúvida ou gostaria de fazer um relato? Deixe seu comentário!